O Processo de Reestruturação Produtiva através da Teoria dos Regimes de Acumulação

Felipe Mateus de Almeida

Resumo


neste artigo, apresentamos uma discussão sobre o processo de reestruturação produtiva através da teoria dos regimes de acumulação. O objetivo central do texto é trazer uma análise crítica do processo de reestruturação produtiva, bem como criticar e superar o conceito de acumulação flexível. 


Palavras-chave


Trabalho; Reestruturação Produtiva; Regimes de Acumulação

Texto completo:

Texto Completo

Referências


ALVES, Giovanni. Trabalho, subjetividade e lazer: estranhamento, fetichismo e reificação no capitalismo global. In: PADILHA, Valquíria (org.). Dialética do Lazer. São Paulo: Cortez, 2006, p. 19-50.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho. 15ªed. São Paulo: Cortez, 2011.

BIHR, Alain. Da grande noite à alternativa: o movimento operário europeu em crise. São Paulo: Boitempo, 2012.

DAL ROSSO, Saddi. Mais Trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

FORD, Henry. Os Princípios da Prosperidade. 4ª ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2012.

HARVEY, David. Condição Pós-moderna. 23ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

HELOANI, Roberto. Organização do Trabalho e Administração: uma visão multidisciplinar. São Paulo: Cortez, 2003.

LEITE, Márcia de Paula. O trabalho e suas reconfigurações: Conceitos e Realidades. In: ____________________.; ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro (orgs.). O Trabalho Reconfigurado: Ensaios sobre Brasil e México. São Paulo: Annablume, 2009, p. 67 – 95.

PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: Taylorismo, Fordismo e Toyotismo. 3ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

TAYLOR, Frederick W. Taylor. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1995.

VIANA, Nildo. Estado, Democracia e Cidadania: a dinâmica da política institucional no capitalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 2003.

____________. O capitalismo na era da acumulação integral. São Paulo: Ideias e Letras, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.