O Consumo de Crack é uma Questão para a Rede de Saúde Mental

Heitor Martins Pasquim, Aline Godoy, Marcel Segalla Bueno Arruda

Resumo


A internação é tomada frequentemente como a única forma de tratamento para consumidores de crack, ignora-se, desta forma, que o cuidado deve partir das necessidades e possibilidades concretas das pessoas e da rede de saúde mental.


Palavras-chave


internação; hospitalização; crack

Texto completo:

Texto Completo

Referências


COELHO, Heloisa Veiga. et al. Políticas públicas de saúde aos usuários de álcool e outras drogas: contribuição da saúde coletiva ao debate. Revista de Ciências da Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás-FESGO., v. 2, p. 194-203, 2012.

SOARES, Cássia Baldini. Consumo contemporâneo de drogas e juventude: a construção do objeto na perspectiva da saúde coletiva. Tese de livre-docência. São Paulo: Escola de Enfermagem, USP, 2007.

SOARES, Cássia Baldini; CAMPOS, Célia Maria Sivalli. A responsabilidade da universidade pública no ensino da prevenção do uso prejudicial de drogas. Mundo da Saúde, v.28, n.1, p.110-5, 2004.

OLIVEIRA, Lúcio Garcia de; NAPPO, Solange Aparecida. Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado e formas de uso. Rev. psiquiatr. clín. v.35 n.6, p.212-18, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.2322/rpo.v1i3.64

Apontamentos

  • Não há apontamentos.